Meu filho não quer ir para a escola, e agora?

Não existe um manual ensinando ninguém a ser uma boa mãe ou um bom pai. É natural que todos os pais tentem dar o seu melhor na criação dos seus filhos. Cada fase da vida da criança carrega consigo os seus desafios característicos. A hora de começar a ir para a escola é um deles. Isso é, de fato, normal.

Durante os primeiros anos de vida, o único porto seguro da criança é a presença dos pais. Ir para a escola, inicialmente, pode transmitir sensação de insegurança, pois trata-se de um ambiente completamente novo, com pessoas novas e a ausência do colo da mamãe e do papai, que costumavam estar sempre por perto.

Com o tempo, a criança se acostuma a esse novo lugar, a essas novas pessoas e entende que existe um mundo a ser desvendado para além dos portões de casa. Todavia, quando menos se espera, os pais podem ouvir os pequenos resmungarem “pai, mãe, não quero ir para a escola!”. E agora?

Bem, nós, como adultos, por mais que gostemos dos nossos trabalhos, não é sempre que estamos a fim de irmos até lá, não é mesmo? E nem sempre é por preguiça: as relações estabelecidas no ambiente de trabalho são diversas e pode haver mais de um motivo pelo qual gostaríamos de evitá-lo em certos dias.

A relação das crianças e dos adolescentes com a escola não é muito diferente: um dia ou outro, pode até ser que não queiram ir para a escola por pura preguiça. Contudo, se o desejo de não frequentar as aulas for recorrente, os pais devem começar a prestar mais atenção nesse comportamento e investigar as queixas dos filhos. 

Pensando em ajudar você com a questão “Meu filho não quer ir para a escola, e agora?”, elencamos alguns pontos aos quais você deve se atentar para superar mais esse desafio da paternidade e da maternidade em idade escolar. Vamos lá? 🤓

Sintomas da criança que não quer ir à escola

Assim como em várias outras situações, quando as crianças não querem ir para a escola, podem demonstrar isso de maneiras criativas. Enquanto algumas são mais recolhidas, outras expressam sua vontade de não ir à escola com veemência e chegam até a fazer birra. Além desses acessos de raiva e choro, algumas crianças costumam relatar sintomas físicos para sensibilizar os pais e ficarem em casa. 

Dor de barriga, enjoo e dor de cabeça são reclamações frequentes dos pequenos que surgem pouco antes do horário das aulas e desaparecem assim que você, eventualmente, tiver deixado seu filho ficar em casa? Em muitos casos, pode ser apenas desculpa. É claro que, se essas queixas forem recorrentes, deve-se procurar um médico pediatra e descartar qualquer problema físico com a criança.

Mas fique atento: ainda que esses sintomas físicos não correspondam a algum problema estritamente médico, não quer dizer que eles não sejam reais. É possível que o seu filho os desenvolva por conta da ansiedade que ir à escola provoca nele. Por essa razão, cabe aos pais a pergunta: por que meu filho não quer ir à escola? 🤔

Por que meu filho não quer ir à escola?

Há vários motivos que podem ajudar os pais a responderem à pergunta “Por que meu filho não quer ir à escola?” Elencamos alguns deles a seguir para servirem como referência para você. No entanto, é importante que você tenha em mente que, em várias situações, não é apenas uma razão “redondinha” a ser apontada. Pode ocorrer uma confluência entre elas ou aspectos de cada uma delas. Caberá a vocês, mãe e pai, analisarem os pontos a seguir de acordo com a realidade dos seus filhos. É só continuar a leitura!  

Ansiedade da separação

É normal que as crianças menores demonstrem resistência ao deixar o colo dos pais o tempo todo e começar a passar algumas horas na escola. Com o tempo, porém, elas vão se acostumando. Faz parte do amadurecimento de cada uma delas. Todavia, se o problema persistir, essa ansiedade da separação deve contar com o auxílio de um profissional adequado para lidar com esse tipo de questão, no caso, o psicólogo.

Experiências negativas na escola

Uma das respostas para a pergunta “Meu filho não quer ir para a escola, e agora?” pode estar nas experiências negativas pelas quais seu filho está passando no ambiente escolar. O bullying, por exemplo, é uma realidade muito dura para algumas crianças e adolescentes e pode desencadear quadros de depressão e ansiedade.

Entretanto, trata-se de um assunto delicado para muitos, o que pode fazer com que os filhos se fechem e tenham vergonha de expor aos pais. Por isso, os pais devem demonstrar segurança e disponibilidade para ouvir os seus filhos, fazendo perguntas num tom de voz adequado e deixando claro que vão fazer o possível para ajudar. 😥

Carência e necessidade de atenção

Às vezes, demonstrar que não quer ir à escola é apenas uma forma de chamar a atenção dos pais. Isso pode ser um sinal de carência e necessidade de atenção. É comum que esse seja o caso, principalmente, quando algo muda na rotina: o nascimento de um novo irmão ou a perda de um ente querido podem provocar esse tipo de comportamento nas crianças. Mais uma vez, uma conversa atenta e voltada para a compreensão é mais do que bem-vinda. ️ 🗣️

Sugestões para contornar a situação

Não existe uma fórmula pronta para contornar a situação. Cada caso é um caso e você deve procurar entender as razões pelas quais seu filho não quer ir à escola, escutando atentamente e buscar acalmá-lo. Mesmo assim, você pode se beneficiar de algumas das sugestões a seguir.

1. A origem do problema nem sempre é simples.

O primeiro passo para contornar a situação é entender que a origem do problema nem sempre é simples. Existem vários fatores que podem estar contribuindo para que seu filho manifeste a vontade de não ir à escola. Por isso, uma escuta atenta, amigável e carinhosa é o caminho para tentar entender os problemas da criança ou do adolescente e ajudar da melhor forma possível. 👂

2. A escola é parceira e joga no mesmo time.

As situações vivenciadas na escola podem ser a causa de seu filho não se sentir confortável lá. Por isso, cabe aos pais lembrarem-se de que a escola é parceira e joga no mesmo time, ou seja, também quer o melhor para o aluno.

Isso significa que, em situações como essa, os pais devem procurar a coordenação pedagógica e, se possível, conversar com os professores e pedir que prestem atenção ao comportamento dos seus filhos durante as aulas, a fim de detectar algum padrão e perceber o que pode estar havendo de errado, como hostilidade na relação com os colegas, funcionários ou mau desempenho nas disciplinas. ‍ 🏫

3. Crianças e adolescentes não devem ser analisados sob a mesma lente.

Se o seu filho não quer ir para a escola, investigar as razões deve levar em consideração a sua faixa etária. Isso porque crianças e adolescentes não devem ser analisados sob a mesma lente. Para a criança, geralmente é um problema relacional, seja dentro da própria escola ou com os pais, como a necessidade de atenção, por exemplo. Os adolescentes, por sua vez, podem não querer ir à escola por questões relacionadas à autoestima e à relação consigo mesmos. Se eles demonstrarem apatia, tédio e desmotivação sem motivo aparente, é recomendável procurar ajuda profissional, já que pode ser o início de um quadro depressivo e ansioso. ‍⚕️

4. “Você vai de qualquer maneira” não é a melhor resposta.

Por mais que a sua intenção seja a melhor quando exige obediência ao dizer que o seu filho deve ir à escola, porque você entende a importância de frequentar as aulas todos os dias, obrigá-lo a ir de forma bruta não é a melhor resposta. Pelo contrário: pode piorar a situação, já que pode ser exatamente desse comportamento autoritário e hostil que o seu filho está tentando fugir. Por isso, a recomendação é que você explique, de maneira calma e compreensível, as razões pelas quais acredita ser importante que ele vá à escola, além de perguntar se existe algum motivo em específico para essa resistência. 🧠

5. Não torne ficar em casa mais atraente do que ir à escola

Se a criança não quer ir à escola e acha que, relatando algum sintoma físico, poderá ficar em casa curtindo a manhã ou a tarde assistindo TV e jogando videogame, mostre que não é assim que as coisas funcionam. É preciso deixar o seu filho ciente de que, se ele não está se sentindo bem, vocês vão ao médico, e ele ficará de repouso. Se você ficar em casa com a criança, tente não dar mais atenção do que o normal. Caso a criança perceba que ficar em casa é mais divertido do que ir à escola, pode se aproveitar disso e relutar ao sair de casa. 🙅🏻‍♀️

6. Não seja resistente a procurar ajuda

Procurar ajuda profissional é uma das melhores decisões que você pode tomar quando sentir que é adequado. Fique atento aos sinais de que seu filho precisa de um psicólogo. Se, entre outros comportamentos, seu filho continuar resistindo a ir para a escola, um especialista pode encontrar a raiz do problema mais facilmente e solucionar a questão. ‍ 💆🏻‍♀️

E aí, gostou do nosso post “Meu filho não quer ir para a escola, e agora?” Comente e compartilhe com os demais papais e mamães! 😉

Ensino Fundamental 2 - do 6º ao 9º ano

Ensino Fundamental 2 – do 6º ao 9º ano

O Ensino Fundamental II marca uma nova e importante etapa na vida acadêmica dos alunos. As mudanças que ocorrem neste momento são evidenciadas pelos seguintes aspectos:

  • Aumento da demanda de estudo em casa;
  • Aumento das responsabilidades;
  • Necessidade de desenvolver mais autonomia;
  • Número maior de professores e conteúdos;
  • Transição da infância para a pré-adolescência.

Conheça nosso projeto pedagógico para alunos do Fundamental 2 →

04/03/2021
Gabriel Walter Fuchsberger