A importância de estabelecer regras e limites na infância e adolescência

Você já sentiu frustração por não conseguir lidar com um comportamento desafiador do seu filho? Saber usar a comunicação não-violenta para estabelecer regras e limites na infância e adolescência é fundamental para a formação saudável da criança, que vai sentir mais segurança e ficar muito mais confiante, estimulando o autocontrole, aprendendo a viver em família e em sociedade.

Às vezes, pensamentos como esses são comuns: 

“Será que estou proibindo demais, ou sendo muito permissiva(o)?” 

“Deveria ser mais rigorosa(o), ou talvez pegar mais leve?” 

É verdade que esse é um desafio e tanto, não é à toa que seja uma questão muito frequente entre os pais e mães. Os pequenos crescem e querem também começar a praticar sua autonomia, de acordo com suas próprias vontades. 

Diante disso, como estabelecer regras e limites na infância e adolescência sem exagerar? 

Continue a leitura e entenda mais sobre o assunto. 

A importância de aprender a dizer “não” às crianças

Muitos pais, mães e outros agentes educadores têm medo de dizer “não” (quando necessário) e estabelecer regras aos pequenos. Porém, estabelecer limites é essencial para que a criança se desenvolva e se torne um adulto saudável, com autocontrole, que conheça seus limites e saiba lidar com momentos de frustração. 

Estudos têm demonstrado que a maior parte dos pais de crianças com autoestima elevada apresentam um estilo educativo chamado de democrático, ou seja, esses pais combinam amor e aceitação com o cumprimento de regras estabelecidas em conjunto. 

Ao estabelecerem regras consistentes e claras, as crianças passam a saber qual comportamento é esperado delas, o que as ajuda a desenvolver maior controle interno e considerar as exigências do mundo exterior, estando mais preparadas para os desafios.

Confira a seguir a lista de benefícios que estabelecer regras e limites na infância podem proporcionar: 

  • Ensina sobre referências, limites e firmeza;
  • Ensina valores e convivência em família e sociedade;
  • Proporciona à criança a sensação de segurança e apoio;
  • Ensina à criança que os pais são capazes de dizer “não” e permite que ela também mais tarde saiba dizer não quando necessário;
  • Leva a criança a perceber e aprender que são os adultos que têm a autoridade;

Dizer não às crianças ainda pode prevenir aspectos futuros indesejados, como: 

  • Falta de autonomia;
  • Falta de autoconfiança;
  • Excesso de dependência emocional;
  • Complexo de superioridade.

Confira 👉 Como lidar com momentos de agressividade dos pequenos?

Como estabelecer regras?

É importante começar dizendo que cada família tem seus valores e rotinas, por isso, as regras para as crianças serão diferentes. Entre as mais comuns, podemos ressaltar os horários para fazer as refeições e dormir, guardar os brinquedos quando não quiser mais usar, lavar seu prato após o jantar, rotinas de higiene… e por aí vai. 

O ideal é introduzi-las de forma clara na rotina, conversando e explicando aos filhos, além de responder suas dúvidas. Combine com seu filho o que é preciso fazer, por que é importante e quais as consequências do descumprimento das regras. Vale destacar também que as regras precisam estar de acordo com a idade da criança ou adolescente. 

Outra dica importante é dar um pouco de liberdade dentro da regra, permitindo que seu filho faça escolhas durante o processo. Isso garante flexibilidade sem perder autoridade. Por exemplo, a criança pode escolher, em alguns casos, a ordem das coisas que precisa fazer (como escovar os dentes e depois guardar os brinquedos, ou vice-versa)

À medida que seu filho(a) vai crescendo, a flexibilidade de algumas regras pode aumentar, permitindo uma negociação e participação maior da criança/adolescente aos estabelecê-las. O processo de combinar e negociar entre pais e filhos é importante para trabalhar responsabilidade e compromisso com as crianças. 

Por outro lado, há regras inegociáveis, como fazer a lição de casa, estudar para a prova, ir às aulas extracurriculares, entre outras.

Regras e limites na infância: como lidar sem desgastar o relacionamento em casa

Para que a criança não sinta que os adultos estão apenas querendo controlá-la e sinta-se inferior, desamparada e injustiçada, é muito importante explicar as razões das regras e dos “nãos”.  Isso dá à criança a capacidade de conviver e aceitar outros pontos de vista.

Outro ponto importante para não desgastar o relacionamento em caso ao estabelecer regras e limites na infância é que elas sejam claras, coerentes, firmes, constantes, consequentes e, como dito anteriormente, adequadas à faixa etária da criança. 

Lembre-se que as regras são fundamentais, mas atente-se para que isso não torne a rotina da família muito rígida e inflexível. Tudo deve ser conversado e feito em equilíbrio, de forma a contribuir para que a criança explore o ambiente, respeite seus limites e também consiga, progressivamente, atingir sua maturidade de forma saudável .  

Confira 👉 Educação financeira desde a infância: como iniciar?

Como agir diante de comportamentos da criança que devem ser desencorajados?

Agora você já sabe a importância e como estabelecer regras e limites na infância e adolescência. Mas quando a criança tem comportamentos que precisam ser desencorajados, como agir? 

Confira algumas sugestões: 

  • Garanta que as regras estejam bem claras;
  • Deixe explícitas as consequências do desrespeito às regras;
  • Aplique as consequências que foram estabelecidas;
  • Aplique a técnica de retirada (de forma breve e repetida), como, por exemplo, levar a criança para um local sossegado onde possa se acalmar e conversar. 

Em caso de comportamentos benéficos para o seu desenvolvimento, ou seja, aqueles que devem ser encorajados, a orientação é: 

  • Mostre para a criança que seu comportamento foi adequado;
  • Elogie por meio de palavras e de ações. Por exemplo, expressar orgulho, abraçar, sorrir, etc;
  • Ajude-a a identificar a ligação entre suas ações e resultados bem-sucedidos;
  • Estimule a criança a prosseguir com essa atitude. 

Você percebeu ao longo deste conteúdo como é importante estabelecer regras e limites na infância e adolescência? Agora está mais preparado para começar a praticar na sua família? Lembre-se: esse é um ato de amor que contribui para a autoestima e o crescimento saudável dos pequenos. 

Se essas dicas te ajudaram, continue navegando no blog e encontre muitos outros conteúdos de valor como este. 

Ensino Fundamental 1 - do 1º ao 5º ano

Ensino Fundamental 1 – do 1º ao 5º ano

O ingresso no Ensino Fundamental é um momento desafiador não só para o aluno, por estar se aproximando de um novo universo de conhecimentos e experiências, mas também para os familiares, que necessitam apoiar a criança na transição da Educação Infantil para o Ensino Fundamental. O Colégio Geração desenvolve atividades e propicia um ambiente escolar que auxiliam o aluno no processo de adaptação a esta nova etapa.

Conheça nosso projeto pedagógico para alunos do Fundamental 1 →

30/07/2021
Elisabete Alhadas