O desafio de preparar os filhos para o mercado de trabalho

Entenda como ter sucesso na tarefa de preparar os filhos para o mercado de trabalho, mesmo diante das incertezas e desafios da adolescência.

A adolescência é uma das fases mais desafiadoras para os pais, pois além de ser um momento de transição entre a infância e a idade adulta, vem carregada de dúvidas, inseguranças e, muitas vezes, por uma certa rebeldia. Uma questão muito importante que surge nesse período, e que costuma preocupar a família, é a tarefa de preparar os filhos para o mercado de trabalho.

Muitos adolescentes, logo que entram para o ensino médio, já sentem-se pressionados por escolher uma profissão, preparar-se para o vestibular e a faculdade, e nessas horas o papel dos pais se torna fundamental. 

Ao mesmo tempo, as influências externas, tanto do meio social quanto econômico, também podem dificultar essa decisão. Isso porque, para muitos adolescentes, nem sempre existe a oportunidade de se dedicar integralmente aos estudos, pois há uma necessidade de trabalhar e complementar a renda familiar, ou mesmo custear os estudos.

Aqui, mais uma vez, o incentivo e apoio dos pais pode ser decisivo para o futuro desse jovem que, muito em breve, deverá tomar decisões importantes e que vão, até certo ponto, definir questões fundamentais para o seu futuro.

E pensando no desafio que é para os pais preparar os filhos para o mercado de trabalho, trouxemos neste artigo algumas questões e dados que podem contribuir com a missão de ajudar na escolha profissional. Acompanhe!

Como preparar os filhos para o mercado de trabalho?

Diante do alto índice de desemprego e da crise econômica que o Brasil enfrenta, quem tem filhos no Ensino Médio teme pelas dificuldades destes adolescentes no momento de entrar no mercado de trabalho. Pais e tutores se questionam: como preparar um jovem cheio de sonhos para um futuro com tantas incertezas?

Segundo uma recente pesquisa realizada pelo Conselho Nacional da Juventude – CONJUVE com mais de 68 mil jovens com idade de 15 a 29 anos, alunos do Ensino Médio e Superior, 43% dos entrevistados já pensaram em abandonar os estudos neste ano de 2021. Em 2020, o número era de 28%. Os principais motivos, conforme o levantamento, são relacionados a questões financeiras (21%) e de dificuldades de acesso (14%).

Além disso, dos 5% que chegaram a abandonar os estudos, um recorte de 20% dos adolescentes entre 15 e 17 anos acabou fazendo isso porque não conseguiu se adaptar ao ensino remoto. O relatório também aponta que, atualmente, aproximadamente 70% dos jovens estão fora da universidade.

E mesmo que as condições de formação escolar e as possibilidades de fazer uma faculdade sejam favoráveis, é bastante normal para mães e pais temer que seu filho se frustre com as questões profissionais ou não encontre um trabalho que lhe dê o retorno financeiro esperado.

Como ajudar nossos filhos na escolha profissional?

Ainda que muitos obstáculos sejam superados, a escolha profissional dos filhos não deixa de trazer alguma angústia para os pais. Afinal, são muitos os fatores envolvidos: realização na carreira, retorno financeiro, prestígio profissional e o mais importante, claro: a felicidade e satisfação pessoal deste jovem.

Por isso, preparar os filhos para o mercado de trabalho requer muito equilíbrio, compreensão e, sobretudo, amor. Nesse momento, é comum que alguns pais acabem tentando influenciar na decisão, sugerindo carreiras e profissões que lhes pareçam mais vantajosas. 

Outros, por não saber como agir e não querer se intrometer na decisão, simplesmente ficam indiferentes, o que pode causar nesse adolescente uma certa insegurança e, até mesmo, sensação de abandono num momento tão complicado.

Se você deseja ajudar seu filho na escolha profissional, confira as dicas a seguir:

Converse abertamente

Uma boa conversa, de modo franco e aberto, é o primeiro passo para trazer o assunto da escolha profissional. Não há como auxiliar na escolha profissional e preparar os filhos para o mercado de trabalho sem antes saber o que eles pensam, aspiram e sonham.

Contudo, sabemos que esse tipo de conversa com um adolescente pode ser uma tarefa difícil, pois alguns se fecham e não se sentem confortáveis de falar sobre seus anseios. Mesmo assim, é importante entender que seu filho ainda está definindo a própria identidade e, por isso mesmo, conversar abertamente é fundamental.

Mas vale aqui uma dica preciosa: não use esse momento para falar somente do que você sonha para ele, conversem sobre o que ele deseja, quais os seus projetos para a vida profissional e pessoal, e de que forma ele acredita que vai alcançar seus objetivos.

Ouça o que ele almeja para si, independente do julgamento dos outros. Busque sempre se colocar no lugar dele, trazendo de volta o adolescente que você também foi um dia. 

Não tente passar seu legado profissional

“Sou médico porque meu pai era médico”. “Escolhi ser advogado para trabalhar no escritório do meu pai”. “Minha família toda é de professoras, então resolvi seguir o mesmo caminho”.

Essas frases são bem familiares, não é mesmo? Todos nós conhecemos alguém que seguiu os passos dos pais, avós e tios, para manter o legado profissional da família. Claro que muitos fazem essa escolha por vocação. Mas, infelizmente, é mais comum do que deveria que profissionais de sucesso, inclusive, não se sintam plenamente realizados, porque escolheram sua profissão apenas por influência da família.

Projetar a própria realização profissional no filho é o que muitos pais e mães fazem, sempre acreditando que se deu certo para eles, também dará para o outro. No entanto, esse tipo de atitude pode dificultar a relação e fazer com que o adolescente se sinta privado do direito de decidir sobre a própria vida. Consequentemente, pode haver insegurança, sentimento de rejeição e baixa autoestima. Isso pode fazê-lo se sentir incapaz, insuficiente e inapto às próprias escolhas.

Ajude-o a conhecer a realidade das profissões que mais lhe atraem

Pesquisar e estudar de modo prático e objetivo sobre o cotidiano das profissões que mais atraem o adolescente pode auxiliar muito na escolha. Afinal, sabemos que muitas profissões são romantizadas, e os “perrengues” acabam sendo ignorados, o que faz com que muitas pessoas se arrependam da escolha durante a faculdade ou mesmo quando vivenciam o dia a dia do trabalho.

Além disso, ajudar seu filho nessa tarefa pode ser um momento de descobertas mútuas, onde tanto ele quanto você podem entender melhor e desmistificar diversos ofícios. Para isso, vale conversar com profissionais conhecidos, fazer visitas nos locais de trabalho de interesse ou mesmo assistir uma aula no curso desejado.

Apoie as escolhas do seu filho e lembre-o de que elas não precisam ser definitivas

Mesmo que a escolha de seu filho não lhe pareça a mais correta, é fundamental apoiá-lo nas próprias decisões. Também vale lembrar de que elas não precisam ser “para sempre”, e que voltar atrás é, sim, uma opção.

A ideia de que a escolha profissional é definitiva assusta e faz com que muitos jovens se sintam perdidos e, quando se arrependem da escolha inicial, acreditam terem fracassado. Por isso, deixe aberta a possibilidade de mudança caso, no decorrer dos estudos, ele acabe não se identificando com a profissão.

Projeto de vida e fatores que impactam na escolha do futuro profissional

Quando trazemos à tona o desafio de preparar os filhos para o mercado de trabalho, uma questão que surge é o papel dos adultos quanto ao incentivo para que os jovens busquem suas verdadeiras aspirações e trabalhem suas vocações e habilidades. E nessa tarefa, não podemos cometer o erro de nos fixarmos exclusivamente nas profissões tidas como tradicionais, repetindo os modelos de trabalho já conhecidos, sem abrir espaço para o novo. Afinal, será mesmo que o mercado de trabalho nos próximos 10 anos demandará as mesmas profissões da época em que você escolheu qual carreira seguir?

É certo dizer que o futuro do mercado de trabalho tende a exigir das profissões, cada vez mais, habilidades sociais e emocionais. Se antes as habilidades técnicas e manuais eram as mais solicitadas, de agora em diante já se pode observar uma necessidade de que o profissional tenha “jogo de cintura” para lidar com questões mais subjetivas, pressão, atuar com criatividade, ter habilidade nas relações interpessoais.

Por isso, vale pensar: quais são as alternativas que meu filho tem? Quais fatores vivenciados na família e na sociedade podem influenciar na escolha profissional, de modo que ele possa ou não seguir seu projeto de vida?

Trazer essas questões para a conversa em família pode fazer com que o adolescente entenda que é o protagonista da sua história, compreendendo da melhor forma como os aspectos sociais e pessoais podem interferir na sua escolha. Assim, todo o processo de tomada de decisão pode ser construído com uma base mais sólida e realista, evitando frustrações ou, ao menos, reduzindo as chances de que o caminho escolhido não seja o esperado.

Os desafios do primeiro emprego

Muitos jovens recém formados no ensino superior partem numa outra saga: a de conseguir o primeiro emprego. Infelizmente, isso pode demorar mais do que o esperado e, então, novamente o apoio dos pais é imprescindível.

Conseguir uma boa colocação pode depender de muitos fatores. Mesmo aqueles que conseguem um estágio durante a faculdade, ainda podem enfrentar um longo caminho até a contratação definitiva.

Portanto, uma boa preparação é fundamental, pois elas aumentam as chances de conquistar uma boa vaga. Preparar os filhos para o mercado de trabalho também significa incentivar os cursos extras, participação em seminários, e, muitas vezes, até mesmo a realização de cursos livres, que podem oferecer uma base prática que ajudará substancialmente a conseguir o primeiro emprego.

O Colégio Geração e a Orientação Profissional

A escola tem papel significativo na orientação profissional de seus alunos. Nela, deve-se estimular a busca por informações e a reflexão sobre a vida profissional.

O Colégio Geração já tem, como tradição, oferecer aos alunos do Ensino Médio a Orientação Profissional, por meio do setor de Psicologia Escolar. A partir de 2022, com o Itinerário Formativo “Projeto de Vida”, este trabalho será intensificado.

Esta será uma disciplina ministrada pela psicóloga escolar e que irá orientar os alunos, ao longo de todo o Ensino Médio, para que cheguem mais seguros naquele importante momento de fazer as suas escolhas de carreira e de vida. 

Entre as atividades desenvolvidas, estão:

  • Mostra de Profissões: momento destinado à palestra com diversos profissionais de diferentes áreas de atuação (para as turmas da 1ª, 2ª e 3ª série do Ensino Médio);
  • Grupos de Orientação Profissional: orientação dos alunos sobre os cursos universitários, por meio de vivências e diálogos, além de tratar-se de outras possibilidades profissionais e mercado de trabalho (específico para o Terceiro ano);
  • Visita às Universidades: visitas às principais universidades locais, com o acompanhamento da psicóloga;
  • Palestras: organizadas com objetivo de dar mais clareza sobre os diversos temas pertinentes à realidade do Ensino Médio.

“Dificuldades preparam pessoas comuns para destinos extraordinários.” 

C.S Lewis
Ensino Médio - do 1ª e 2ª séries

Ensino Médio – do 1ª e 2ª séries

No Ensino Médio os desafios são ainda maiores. As atividades desenvolvidas, assim como o material didático utilizado, estão voltados aos vestibulares, ENEM e outros concursos. O Ensino Médio do Colégio Geração garante aos alunos uma base sólida de aprendizagem, excelente estrutura de ensino-aprendizagem, oportunidades para testar e aprofundar seus conhecimentos e desenvolver a confiança necessária para ingressar no Terceirão.

Conheça nosso projeto pedagógico para alunos do Ensino Médio →

19/10/2021
Kélen Oliveira